Notícias

Unicamp tem prova 'exigente' e 'acerta no formato', dizem professores

image

A prova da primeira fase do vestibular 2017 da Unicamp, realizada neste domingo (20), exigiu bom domínio do conteúdo, sobretudo nas questões interdisciplinares, e acertou no formato. Essa é a opinião de professores de cursinho ouvidos pela Folha.

O exame foi difícil e precisava não só de atenção, mas também do exercício de diferentes habilidades, segundo eles. "A Unicamp, entre os vestibulares até agora, foi a que teve maior exigência de conteúdo", afirmou Marcelo Carvalho, coordenador geral do curso Etapa.

As 13 perguntas interdisciplinares foram o diferencial da prova. "O aluno realmente precisava de informações de duas disciplinas para responder", disse o diretor pedagógico da Oficina do Estudante, de Campinas (interior de São Paulo), Célio Tasinafo.

Para a coordenadora do colégio e curso Objetivo, Vera Lúcia da Costa Antunes, "o aluno tinha que ter domínio dos conceitos e boa interpretação textual"

O coordenador do Etapa afirmou que as interdisciplinares pediram tempo para resposta e foram, ao mesmo tempo, o ponto de destaque e de mais dificuldade. "Uma questão ou outra pode ter pecado pela especificidade, mas é interessante porque o mundo de hoje é isso."

"A prova estava bem estruturada, de média para difícil", declarou Paulo Moraes, diretor de ensino do Anglo Vestibulares. De acordo com ele, o grau de exigência pesou especialmente para os alunos de humanas, por conta de biologia, que "se ateve a detalhes não muito usuais [no ensino médio]", e matemática.

"Matemática cobrava, em alguns casos, conteúdos que não eram comuns na primeira fase da Unicamp, como elipse", afirmou Tasifano, da Oficina do Estudante.

Outra disciplina que apresentou razoável dificuldade, segundo os professores de cursinho, foi geografia. Antunes, do Objetivo, disse que eram "questões muito bem boladas", mas que precisavam de tempo pelos mapas, figuras e interpretação dos textos.

Língua portuguesa, com 13 questões, não estava exatamente difícil, de acordo com os professores de cursinho, contudo demandava atenção e cuidado para as respostas. O conteúdo dos 12 livros da lista obrigatória esteve em seis questões e precisava de conhecimento e leitura das obras.

"Exigiram do vestibulando não só estrutura linguística, mas também conteúdo. O aluno tinha que fazer uma leitura crítica", disse a coordenadora do Objetivo.

Moraes, do Anglo, afirmou, porém, que havia alguns problemas na elaboração das questões de língua portuguesa. "Dificultava o aluno a chegar às respostas. A elaboração não deixou muito claro qual foi o comando para o candidato."

A primeira fase da Unicamp lembrou um pouco o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), para a coordenadora Objetivo. "Todas com figuras, textos, imagens, análise de tabelas."

Com 90 questões de múltipla escolha e quatro alternativas de resposta, entre 12 perguntas interdisciplinares, além daquelas sobre língua portuguesa (13), matemática (13), história (9), geografia (9), física (9), química (9), biologia (9) e inglês (7), os professores ainda disseram que a Unicamp chegou à sua fórmula ideal.

O exame de primeira fase deste domingo foi, na avaliação deles, a melhor edição, desde as últimas três que a Comvest (Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp) realizou nos últimos anos.

SEGUNDA FASE

O gabarito com as respostas da prova estará disponível para consulta a partir da próxima terça-feira (22). No mesmo dia, a Comvest também divulgará a nota de corte específica de cada de um dos cursos em que os candidatos concorrem.

A divulgação com o nome dos que irão para a segunda fase da exame será em 13 de dezembro, juntamente com os locais de prova. Os candidatos terão acesso à nota que obtiveram na primeira parte do exame no dia 21 de dezembro.

A segunda fase acontecerá nos dias 15, 16 e 17 de janeiro de 2017. A Comvest alerta para que os estudantes fiquem atentos às datas das provas de habilidades específicas de arquitetura e urbanismo, artes cênicas, artes visuais e dança, que ocorrerão entre 23 a 26 de janeiro de 2017.

A lista de livros obrigatórios (confira aqui ) reúne 12 obras e é composta por diferentes gêneros e extensões, que inclui romances, coletâneas de poemas e peças teatrais, mas também textos curtos, como contos, crônicas, peças de oratória ou de crítica, a fim de levar o vestibulando a ampliar o seu campo de estudos sem sobrecarregá-lo no volume de leituras.

APROVADOS

A lista de aprovados será divulgada no dia no dia 13 de fevereiro de 2017, e os candidatos selecionados devem realizar a matrícula não presencial entre os dias 14 e 15 de fevereiro.

A Unicamp não adota o sistema de cotas, mas concede bonificação nas notas da primeira e segunda fases para alunos. Todos os candidatos que fizeram o ensino médio integralmente em escolas públicas recebem 60 pontos na primeira fase e outros 90 pontos na segunda fase.

Os candidatos de escola pública autodeclarados pretos, pardos ou indígenas têm além desses, outros 20 e 30 pontos respectivamente na primeira e na segunda fases.

Neste ano, a primeira fase do exame da Unicamp foi aplicada em Brasília e em 29 cidades do Estado de São Paulo: Araçatuba, Avaré, Bauru, Botucatu, Bragança Paulista, Campinas, Franca, Guaratinguetá, Guarulhos, Jundiaí, Limeira, Marília, Mogi das Cruzes, Mogi Guaçu, Osasco, Piracicaba, Presidente Prudente, Registro, Ribeirão Preto, Santo André, Santos, São Bernardo do Campo, São Carlos, São João da Boa Vista, São José do Rio Preto, São José dos Campos, São Paulo, Sorocaba e Sumaré. 


Fonte: Folha

 

(16) 3623-6199

Av. Senador César Vergueiro, 590 - Jardim Irajá - Ribeirão Preto/SP