Notícias

'Tinha dificuldade em leitura e escrita', diz piauiense nota mil no Enem 2016

image

Aos 17 anos, o piauiense Bruno Henrique Batista Valcácer é um dos 77 candidatos que tiraram nota mil na redação do Enem 2016. Essa foi a segunda vez que ele fez a prova, sendo que na primeira conseguiu aprovação para engenharia civil, direito e odontologia, mas preferiu não cursar e se preparar para conseguir uma vaga no curso de medicina. Segundo o aluno, as suas maiores dificuldades eram a leitura e a escrita, mas buscou durante todo o ano estratégias para superar os obstáculos.“Sempre tive muita dificuldade com a leitura, concentração e escrita, mas procurei várias estratégias de estudo. Passei a fazer muitas escrituras e reescrituras, sempre tento respeito às dificuldades que a redação impõe, o que normalmente muitas pessoas desprezam. Além disso, tenho que deixar claro que o mais importante de tudo é o apoio familiar, pois foram nas dificuldades que ela me deu o maior conforto para superar todos os problemas”, disse.Ansioso em saber a pontuação que tinha conseguido, a primeira coisa que fez foi pegar o celular e acessar a internet na quarta-feira (18).“Assim que acordei peguei meu celular, que estava mais próximo, e já fui logo acessando. Meus pais iam chegando e os chamei para olharmos juntos. Fiquei bem surpreso quando vi o quanto consegui. Ali pude perceber que existem várias formas de superação e eu encontrei pelo menos uma delas, já que tinha dificuldades em parar para fazer uma leitura ou escrita”, contou.

Estratégias
Para aumentar as chances de ter um bom desempenho no Enem, Bruno se matriculou em um curso de redação. “Eu estudava em um curso de pré-vestibular e em um cursinho de redação. Quando estava em um dia legal, chegava a estudar nesses lugares e quando voltava para casa, continuava a estudar e a exercitar a redação, chegando a sete horas por dia. Procurei adquirir a maior quantidade de conhecimento possível. Depois do almoço eu começava a estudar sem estabelecer horário fixo, dependia muito de como eu estava naquele dia”, relatou.

Fonte: G1



 

(16) 3623-6199

Av. Senador César Vergueiro, 590 - Jardim Irajá - Ribeirão Preto/SP